CHARQUE, CARNE DESIDRATADA: PRODUÇÃO SIMPLES E MAIS DURABILIDADE

Entenda o processo de produção desse tipo de carne e sua maior durabilidade O charque é um tipo de carne produzida a partir de um processo de desidratação que visa ampliar a durabilidade do alimento. Muito presente no mercado atualmente, a produção consiste em salgar a carne e, posteriormente, secá-la sob o sol. Trata-se de um método de fabricação simples, que envolve poucas etapas, e pode melhorar drasticamente uma das características mais importantes para o consumidor. Por isso, o charque é uma ótima opção para os empreendedores do mercado de alimentos.  Mas quais são os detalhes do processo de produção? Como surgiu? E por que a durabilidade da carne aumenta tanto? Logo abaixo, explicamos tudo sobre o charque!    Como surgiu e chegou ao Brasil? A palavra charque é proveniente da palavra charki, que vem do idioma quéchua, de origem indigena, e significa carne salgada. No princípio, o objetivo da produção era manter o alimento próprio para o consumo por um longo período de tempo, até 2 meses, evitando desperdício de comida, já que não existiam métodos de refrigeração naquele período. Já no território brasileiro, o charque teve origem no Nordeste, no século XVII. Nessa época, com a vasta implantação de estâncias de gado, o charque era produzido com objetivo de manutenção da carne. Foi então que, em 1777, um longo período de seca se estendeu pela região, tornando inviável a fabricação de charque por causa da perda intensa dos rebanhos nas fazendas. Enquanto isso, o estado do Rio Grande do Sul também estava seguindo esse mesmo ritmo de criação de bovinos e, então, o estado começou a liderar a produção de carne. Como é fabricado? Antes de tudo, é necessário optar por uma carne que tenha alto nível de gordura. Os cortes escolhidos, normalmente, são os menos nobres da parte dianteira do boi. Após o corte da peça, ela é colocada sobre uma manta fina, o que auxilia na transformação da matéria-prima em charque. Em seguida, a carne passa por um processo de descanso, que dura muitos dias sob uma fonte de aquecimento (por exemplo, luz solar). Depois, adiciona-se uma grande quantia de sal grosso sobre a superfície para gerar a desidratação da peça. Por que dura tanto? O sal é constituído em grande parte por uma substância chamada Cloreto de Sódio (NaCl). Esse composto é higroscópico, ou seja, possui a capacidade de absorver água. Por isso, quando em contato com a carne, o sal retira a sua umidade, desidratando-a, inibindo o crescimento de microorganismos. O Cloreto de Sódio também possui ação bactericida, pois extrai a água presente nas bactérias, rompendo suas células e causando a sua morte. Tal acontecimento impede a deterioração do alimento. O charque é mais um exemplo a respeito de métodos para aumentar a durabilidade dos alimentos. Neste caso, trata-se de uma simples aplicação que pode ser a solução para problemas aparentemente complexos. Está procurando formas de estender a vida útil de algum produto alimentício específico? A CONAQ possui ampla experiência nesse setor e pode te ajudar. Entre em contato e converse conosco!

CERVEJA E CHOP: ENTENDA AS DIFERENÇAS

Paixões dos brasileiros, cerveja e chopp possuem diferenças de sabor, textura e durabilidade Muito presentes no cotidiano dos brasileiros, a cerveja e o chopp são comumente confundidos. Poucos consumidores são capazes de perceber e menos ainda de entender as verdadeiras diferenças entre essas duas bebidas. Chopp e cerveja, de fato, são bebidas parecidas em alguns aspectos, já que contém basicamente os mesmos ingredientes e passam por processos de produção semelhantes. No entanto, possuem muitas particularidades que geram sabor, textura e durabilidade diferentes. O nome “chopp”, que só existe no Brasil, inclusive, surge a partir de uma dessas diferenças: o método de armazenamento. (A explicação da origem da palavra chopp está no fim do artigo). Aqui, chama-se de chopp a cerveja que é armazenada sob pressão em barris. No restante do mundo, apenas uma palavra é utilizada para se referir à cerveja, independente da forma como é armazenada. A forma de acondicionamento, no entanto, é apenas uma das diferenças que influenciam nas características dos produtos. Abaixo, explicamos todas as outras diferenças entre a cerveja e o chopp:  Pasteurização  A principal característica que diferencia esses dois fermentados é a pasteurização pela qual a cerveja engarrafada ou enlatada passa. A pasteurização é um processo de eliminação de microrganismos nocivos, ou seja, de esterilização do alimento ou bebida.  Ela consiste em aquecer a bebida até uma determinada temperatura por um certo período de tempo e, em seguida, resfriar essa bebida a uma temperatura muito inferior à anterior. Esse processo é utilizado para aumentar a durabilidade da cerveja, facilitando a comercialização. Sabor e textura A operação de pasteurização altera, ainda que levemente, o sabor e a consistência das cervejas engarrafadas ou enlatadas. O processo de filtração pode retirar substâncias que influenciam a textura, deixando-a menos cremosa. Além disso, por ser um produto fresco, o chopp apresenta as características sensoriais da cerveja, como aroma e sabor, com sua máxima intensidade.  Durabilidade e armazenamento Em média, a cerveja tem validade de 8 a 12 meses na garrafa e na lata  O chopp tem validade de algumas semanas (30 a 45 dias) em refrigeração e precisa ser consumido até aproximadamente 5 dias depois de aberto o barril O chopp é armazenado em barris de 30 a 50 litros, o que evita a exposição à luz,  e pressurizado com gás carbônico, o que conserva os aromas  A cerveja, como é apenas embalada em garrafas ou latas, não sofre alteração, porém possui um período de conservação muito mais longo E o teor alcoólico? A pasteurização não altera a porcentagem de álcool nas bebidas! Por isso, cervejas do mesmo tipo, ou seja, com a mesma composição, terão sempre o mesmo teor alcoólico, não importando se elas vêm de garrafas, latas ou barris.  Curiosidade: origem da palavra chopp Acredita-se que a palavra chopp tenha surgido com a imigração de alemães para o Brasil. A denominação se origina da palavra alemã schoppe, que significa “copo de meio litro” e era a medida utilizada para pedir a cerveja do barril. Com o passar do tempo, os brasileiros adaptaram a expressão, que se transformou em “chopp”. Gostou de saber mais detalhes sobre esses produtos e seus processos de produção? Quer desenvolver ou melhorar o seu próprio produto ? Entre em contato conosco? A CONAQ está aqui para ajudar!