WhatsApp

(48) 3721-6361

5/5

TIPOS DE CORANTES NA INDÚSTRIA DE ALIMENTOS

Nícolas Marino de Farias
Nícolas Marino de Farias

outras variações de cores

No ramo de alimentos, os corantes na indústria desempenham um papel crucial na criação de produtos visualmente atraentes e apetitosos. Eles são usados para realçar cores naturais, corrigir variações de cor e até mesmo criar tons completamente novos. Os corantes alimentares podem ser classificados em duas categorias principais: naturais e artificiais. Mas, afinal, qual deles é mais utilizado na indústria de alimentos? Existe um objetivo específico para cada aplicação?

Esse blog detalhará cada uma dessas dúvidas que surgem, além de aprofundar as características dos corantes.

TIPOS DE CORANTES NATURAIS NA INDÚSTRIA

os corantes na indústria de alimentos

1. Carotenoides:

  • Há corantes na indústria que são pigmentos naturais encontrados em frutas, vegetais e algumas algas. Eles são responsáveis por cores que variam do amarelo ao vermelho.
  • Exemplos comuns incluem beta-caroteno (laranja), licopeno (vermelho) e luteína (amarelo).
  • Usos típicos incluem coloração de sucos, molhos, produtos lácteos e produtos de panificação.

2. Clorofila e Clorofilina:

a clorofila líquida e em pó como opção

  • A clorofila é o pigmento verde encontrado em plantas, enquanto a clorofilina é um derivado solúvel em água da clorofila.
  • Ambos são usados para criar tons de verde em produtos alimentícios, como sorvetes, doces e bebidas.

3. Antocianinas:

  • Encontradas em frutas vermelhas, roxas e azuis, as antocianinas são pigmentos solúveis em água.
  • Elas são frequentemente usadas em produtos como iogurtes, sobremesas e confeitos para fornecer tons vibrantes de rosa, roxo e azul.

Case de sucesso com a Natulelê massinhas

 

PROJETO DESENVOLVIDO PELA CONAQ

Os corantes na indústria ganham muito e destaque e com a intenção de produzir uma massinha de modelar com cores vibrantes e totalmente natural, a CONAQ desenvolveu esse produto com corantes 100% naturais. Foi assim que a Natulelê lançou esse produto inovador no mercado e se destacou em relação a toda a concorrência que mantinha uma ideia acomodada.

Destaque de uma consultoria na área química e alimentícia

 

TIPOS DE CORANTES ARTIFICIAIS NA INDÚSTRIA

os corantes na indústria

1. Corantes Sintéticos Orgânicos:

  • Corantes artificiais derivados de substâncias sintéticas. Eles são frequentemente usados devido à sua estabilidade e capacidade de produzir cores brilhantes e consistentes.
  • Exemplos incluem tartrazina (amarelo), vermelho 40 (vermelho) e azul brilhante FCF (azul).
  • Eles são amplamente utilizados em uma variedade de produtos, como refrigerantes, doces, salgadinhos e alimentos processados.

2. Corantes Sintéticos Inorgânicos:

  • Corantes artificiais que consistem em sais metálicos. Eles são usados principalmente em produtos de confeitaria e decoração de alimentos.
  • Exemplos incluem dióxido de titânio (branco), óxido de ferro (vermelho, amarelo, marrom) e carbonato de cálcio (branco).

LEGISLAÇÃO BRASILEIRA SOBRE OS CORANTES NA INDÚSTRIA

os corantes na indústria

O uso de corantes na indústria de alimentos é regulamentado pela Agência Nacional de Vigilância Sanitária (ANVISA), que estabelece normas e padrões para garantir a segurança e a qualidade dos alimentos consumidos pela população. A legislação brasileira aborda o uso de corantes em alimentos através da Resolução RDC nº 26/2015, que dispõe sobre os aditivos alimentares permitidos para uso em todo o território nacional.

Alguns pontos importantes da legislação brasileira relacionados ao uso de corantes na indústria incluem:

1. Lista de Corantes Permitidos:

A legislação brasileira especifica uma lista de corantes alimentares permitidos para uso em alimentos e bebidas. Esses corantes são classificados como aditivos alimentares e são submetidos a rigorosos testes de segurança antes de serem aprovados para uso.

2. Limites Máximos de Uso: Para cada corante permitido, a legislação estabelece limites máximos de uso, garantindo que os níveis de ingestão desses aditivos sejam seguros para a saúde humana. Esses limites são baseados em avaliações de segurança realizadas por especialistas em saúde e toxicologia.

3. Rotulagem Obrigatória: Os fabricantes de alimentos são obrigados a listar todos os corantes utilizados na composição do produto em seus rótulos, juntamente com seus respectivos números de INS (International Numbering System), que são códigos padronizados internacionalmente para identificar aditivos alimentares.

4. Restrições Específicas: Alguns corantes na indústria podem estar sujeitos a restrições específicas de uso ou proibidos em determinados tipos de alimentos devido a preocupações de segurança ou potencial impacto na saúde. Por exemplo, a legislação pode limitar o uso de corantes em alimentos destinados a crianças ou bebês.

É importante observar que a legislação e regulamentação relacionadas ao uso de corantes em alimentos estão sujeitas a atualizações periódicas para refletir novas descobertas científicas, mudanças nas práticas industriais e preocupações emergentes de saúde pública. Portanto, os fabricantes de alimentos devem manter-se atualizados sobre as regulamentações vigentes e garantir o cumprimento das normas estabelecidas pela ANVISA, sendo a Resolução RDC nº 26/2015 a vigente.

AFINAL, QUAL TIPO DE CORANTE É O MELHOR?

os corantes na indústria

Ao decidir entre corantes naturais e artificiais na indústria de alimentos, é importante considerar uma variedade de fatores, incluindo aspectos sensoriais, preferências dos consumidores, regulamentações governamentais e preocupações com saúde e segurança. Aqui está uma comparação entre os dois tipos de corantes em diferentes contextos:

1. Aspectos Sensoriais:
  • Corantes Naturais: Os corantes naturais muitas vezes proporcionam cores mais suaves e nuances sutis, refletindo as tonalidades encontradas na natureza. Eles podem ser preferidos em produtos que buscam uma imagem mais “natural” e “artesanal”.
  • Corantes Artificiais: Os corantes artificiais tendem a produzir cores mais brilhantes e intensas, sendo frequentemente utilizados para criar tons vibrantes e uniformes. Eles são populares em produtos que desejam uma aparência mais ousada e chamativa.
2. Preferências dos Consumidores:

os corantes na indústria

  • Corantes Naturais: Com a crescente demanda por alimentos mais naturais e saudáveis, os corantes naturais podem ser preferidos por consumidores conscientes da saúde e preocupados com ingredientes artificiais em suas dietas.
  • Corantes Artificiais: Por outro lado, consumidores que buscam uma experiência sensorial mais intensa e cores mais vivas podem preferir produtos que utilizam corantes artificiais.
3. Estabilidade e Consistência:
  • Corantes Naturais: Os corantes naturais podem ser menos estáveis do que os artificiais e podem ser afetados por fatores como pH, temperatura e luz. Isso pode levar a variações na cor e na durabilidade do produto final.
  • Corantes Artificiais: Os corantes artificiais geralmente oferecem maior estabilidade e consistência de cor, tornando-os mais adequados para aplicações que exigem cores uniformes e duradouras ao longo do tempo.
4. Regulamentações Governamentais e Segurança:

os corantes na indústria

  • Corantes Naturais: Muitos corantes naturais são considerados seguros para consumo, mas a segurança pode variar dependendo da fonte e do processo de fabricação. Eles podem estar sujeitos a menos escrutínio regulatório do que os corantes artificiais.
  • Corantes Artificiais: Os corantes artificiais são amplamente regulamentados pelas agências governamentais e devem passar por testes rigorosos de segurança antes de serem aprovados para uso. No entanto, alguns estudos levantaram preocupações sobre os efeitos potenciais na saúde de certos corantes artificiais, especialmente em doses elevadas.

os corantes na indústria

 

Em resumo, a escolha entre corantes naturais e artificiais depende das necessidades específicas do produto, das preferências dos consumidores e das considerações regulatórias e de segurança. Muitas vezes, uma combinação de ambos os tipos de corantes pode ser usada para alcançar o resultado desejado em termos de cor, estabilidade e aceitação do consumidor.

O que é CONAQ?

Somos uma empresa júnior, da Universidade Federal de Santa Catarina, de acordo com a Lei 13.267/2016, e realizamos projetos de consultoria em engenharia química e engenharia de alimentos.

Entre em contato

FICOU INTERESSADO?

Fale agora com um de nossos especialistas!

R. João Pio Duarte Silva, 241  Florianópolis - SC

Email

contato@conaq.com.br

WhatsApp

(48) 98453-2219

Conaq | Todos os direitos reservados

Open chat
Fale conosco!
Olá! Podemos te ajudar?